A necessidade de uso de um smartphone para acessar o aplicativo Schoolastic não está limitando o uso dessa tecnologia por pais de alunos carentes que estudam no Instituto Criança Cidadã.

Inicialmente, acreditou-se que a necessidade de um celular mais moderno acabaria por inibir o uso da tecnologia por algumas famílias, mas esse receio se mostrou infundado.

Segundo dados da 27ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), o Brasil chegou a 168 milhões de smartphones em uso, um crescimento de 9% em relação a 2015, quando a base instalada era de 152 milhões de celulares inteligentes. De acordo com o estudo, a expectativa é de que, nos próximos dois anos, o País tenha 236 milhões de aparelhos desse tipo nas mãos dos consumidores, um crescimento de 40% em relação ao momento atual.

Para Fernando Meirelles, professor da FGV-SP responsável pelo estudo, os usuários jovens tem sido os principais motivadores desse mercado.“Se o usuário tiver R$ 2 mil e puder comprar hoje um computador ou um smartphone, a chance dele optar pelo celular é maior se ele for jovem”, afirma. “O smartphone virou a principal forma de acesso à internet para o usuário doméstico.”

De acordo com Joel Stucchi, presidente do ICC, até mesmo famílias que não tinham o dispositivo buscam adquiri-lo para poder se integrar ao dia a dia dos filhos na escola.